quarta-feira, outubro 01, 2014

The Strange Photo

    Emma could not believe what she saw in front of her. She woke up extremely dizzy, trying to stand on her feet. In a totally strange white room, a table was before her eyes. The room was empty, except by this table, and the lights that were twinkling.
   She couldn't recall how she got there. All Emma knew is that she was in her apartment, watching the news, and suddenly the power went out. As she was groping towards the kitchen in order to find some candles, something hit her head very hard. Nothing but a black screen was everything she could remember since then.
   Dazed as she was, only now she realized her feet were tied up to a metal bar next to her. The chains gave her a certain mobility, however all she could reach was the table. She felt nauseated, standing up was such a hard task. Her head was in a lot of pain, the flashing lights were as bright as daylight in that closed room, blinding her and increasing the pain and the confusion. Unsteadily rising to her feet, she staggered to the table.
   She hadn't noticed, but there were a few tools on it: a hammer, a saw and a torch. Also a flashlight was beside a note on the corner of the table. It said: "STAY, AND NO PAIN WILL BE ADDED TO YOUR DAYS. (TRY TO) LEAVE AND FACE YOUR IRREMEDIABLE FATE!"
   Starting to cry in desperation, she nods while trying to figure all that out. "Am I insane, dreaming or what? This is non-sense!" Then she realized the white room was not all that white. Remains of blood covered the floor, old, clotted blood. Her eyes flickered, lacking strength to keep them open, lacking strength to stay up. Soon all of her fell, fainting, hitting the floor hardly. She bruised her head, and a little stream of hot, fresh blood went down her hair to join the other puddles.
   Once again her eyes were fighting the lights while trying to open. Yet, the room was no more. Emma was back to her apartment. Lost, scared, frightened and, most of all, broken, she was laying on the floor. Hurt and stained with blood, she could barely breath. Still, a piece of paper next to her called her attention. Managing to reach it, she stretched her arm and brought the paper closer. She read: "YOUR DEBT IS PAID" Looking at the picture she saw a body hanging from a tree without either feet. Her clothes were on the suspended corpse. She felt nevermore.










"A Foto Estranha"

   Emma não podia acreditar no que viu à sua frente. Ela acordara extremamente tonta, tentando ficar sobre seus pés em uma sala branca totalmente estranha. Havia uma mesa adiante. A sala estava vazia, a exceção dessa mesa e luzes que piscavam.
   Ela não conseguia lembrar como chegara ali. Tudo o que sabia era que estava em seu apartamento, assistindo ao jornal, e repentinamente a energia acabou. Enquanto ela tateava a casa indo em direção a cozinha para pegar algumas velas, algo acertou sua cabeça em cheio. Nada além de uma tela preta era tudo o que sua memória conseguia reproduzir até o momento.
   Confusa como estava, agora que ela se dera de conta de estar com os dois pés amarrados a uma barra de metal que estava ao seu lado. As correntes lhe davam certa mobilidade, embora a única coisa que pudesse alcançar daquela forma fosse a mesa. Ela se sentiu enjoada, levantar-se era muito difícil. Sua cabeça doía intensamente, as luzes cintilantes eram tão claras quanto a luz do dia naquela sala escura, cegando-a e aumentando a dor e a desorientação. Levantando-se desajeitada, cambaleou até lá.
   Ela não tinha percebido, mas haviam algumas ferramentas ali em cima: um martelo, uma cerra e um maçarico. Tinha também uma lanterna ao lado de um bilhete no canto. Dizia assim: "FIQUE, E NENHUMA DOR SERÁ ACRESCENTADA AOS SEUS DIAS. (TENTE) SAIR E ENCARE O SEU DESTINO IRREMEDIÁVEL".
   Começando a chorar desesperada, Emma balança a cabeça tentando entender tudo aquilo que estava acontecendo com ela. "Estou louca, sonhando ou o quê? Nada disso faz sentido!" Então ela percebe que a sala branca não é tão branca assim. Restos de sangue cobriam o chão, sangue velho e coagulado. Seus olhos piscavam, faltando força para deixá-los abertos, faltando força para ficar em pé. Logo o seu corpo caiu, desmaiando, batendo no chão com toda força. Ela machucou a cabeça, e uma pequena corrente de sangue quente e fresco escorreu por seu cabelo, juntando-se às outras poças.
   Mais uma vez seus olhos lutavam contra a luz para se abrirem. Porém, não estava mais naquela sala. Emma estava de volta em seu apartamento. Perdida, assustada, sentindo-se ameaçada e, mais do que tudo, estava quebrada, deitada no chão. Ferida e manchada de sangue ela mal podia respirar. Ainda assim, um pedaço de papel chamou sua atenção. Achando uma forma de alcançá-lo, ela esticou o braço e trouxe o papel para si. Ela leu: "SUA DÍVIDA ESTÁ PAGA". Olhando a foto, viu um corpo pendurado em uma árvore sem ambos os pés. Suas roupas estavam no corpo suspenso. Ela nunca mais sentiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário