sexta-feira, maio 27, 2011

Egoísmo Alter Ego




Gama, DF                       22 de Maio de 2011



A casa inteira está dormindo. Ontem a noite foi mortificante. A madrugada se estende e eu fui a única pessoa em quem eu não pensei. Pensei ter sido sono quando meus olhos pesaram e eu os fechei. Então desliguei a TV e me deitei. Mas não consegui dormir. O que realmente pesava em meus olhos era o fardo da televisão e a prisão que ela representava ao meu pensamento. Depois, no escuro, é que eu viajei por longas e curtas distâncias neste que tempo que aos poucos me consome e me mata. A carne, ainda jovem, vai misturando-se lentamente à ferrugem e ao cansaço.
Eu sei que a noite avança, mas ainda não consegui pensar em mim. Talvez porque minha cabeça anda cheia demais de muita coisa e de muita gente que eu ando pensando desnecessariamente. Parece até que se tornou um vício meu; e todas as noites, antes de enfim dormir, surge alguém do nada, com lembranças que me sugam a alma e o sono já escasso. 
Já passaram das 5h e eu ainda permaneço com olhos cansados, porém abertos. Só o que ouço são os ressonares, eletrodomésticos, relógio e alguma voz ou carro alheios que passem aqui perto. A luz incomoda, assim como a falta de sono. A caneta com que estou escrevendo não me agrada. E só agora, escrevendo esse texto estupidamente, é que pensei em mim ...
No geral, continua tudo calmo, difícil e dúbio como sempre. Despeço-me aqui da madrugada insone para outras coisas pensar e escrever.





"Se for pra sempre
Seja breve,
Seja firme,
Seja leve,
Seja bravo,
Seja breve"


Breve - Pouca Vogal



Que tudo isso seja muito breve, por favor ...



Tempo de Composição: 04h47 à 05h15

Nenhum comentário:

Postar um comentário