segunda-feira, agosto 08, 2011

Barreira





Eu preciso encontrar meu lugar, para transformar meu mundo, e torná-lo palpável em papel e tinta de caneta. Rendo-me em falta de inspiração, mas não é verdade. Há tanto que preciso colocar para fora,     que eu devo colocar, pois me consome. Mas ao deixar as memórias escaparem, e transformarem as páginas seguintes do meu livro pessoal, corro um risco que quero evitar. Estou com medo, insegura, e poderia gritar agora, mas não faço por covardia, ou o que quer que isso pareça ser. Nem em todo o meu subjetivismo eu seria capaz de mostrar, é mais forte do que o segredo. Eu deveria me calar, parar de escrever e de transpor tudo o que estou sentindo. Só não consigo.
Então começo a escrever, mas não chego a lugar algum. Não atinjo com sucesso o alvo que tanto desejo. Eu deveria inventar. Criar novos mundos e deles falar, já que o meu anda tão bagunçado e confuso. Mas não posso, com tanta informação guardada no peito. Então surge a barreira intransponível entre mim e as folhas. Mesmo tão íntimas, não consigo alcançá-las. Rendo-me à noite, pois é ela quem me deixa mais solta e livre, mas nem ela está conseguindo. Perco-me nos pensamentos e a lógica se vai, e meu mundo se despedaça, e eu não consigo me achar em meio ao meu próprio caos.
A caneta, meu caderno, o coração, todos me chamam para ir até as minhas páginas em branco para preenchê-las. Entretanto, tudo que consigo são ansiedade, nervosismo, memória e arrepio, noite em claro e coração pulsando mais forte. Por isso hesito agora em escrever. E assim, começo a achar que tudo o que fiz até hoje parece queimar.
Quase tudo claro, as luzes se apagam, a memória voa e a escrita permanece, no papel e em aguardo. 





Wither - Dream Theater



 

"Let it out, let it out
Feel the empty space
So insecure
Find the words
And let it out
"




Escutei essa canção durante toda a composição. Repeti-la umas 8 vezes (palpite baixo) até conseguir chegar à última linha. (Na verdade, eu a escutei até pra fazer essa nota que está lendo.) Se observarem a letra, ela fala exatamente do que eu disse, sobre estar bloqueado. Acho que a grande maioria de nós, escritores, passamos por alguma fase assim, seja o motivo qual for. E como bons viciados em escrita, sabemos o quão horrível pode ser esse período, que pode chegar a durar meses. Essa música foi de grande incentivo pra mim. Espero que, para aqueles de mente aberta pra música, possam tirar o mesmo proveito que eu ... 

3 comentários:

  1. Essa leitura me deu arrepios, me lembrei do tempo q o mundo me causava medo, depois lembrei que hoje em dia eu o desafio, e ele não me vence mais por que não pode me influenciar e nem me atinjir com vans e simples esteriotipos e... ah ja falei demais... Show de bola.

    PS: não quero saber se faltou virgula ou ponto, não faço letras...

    ResponderExcluir
  2. Nossa ... Um dos melhores ... :)
    Essa sensação é estranha ... os pensamentos voam dentro da mente ... e é difícil colocá-los em ordem ... e nem sabemos se devemos ou não ... às vezes é melhor nem conseguir coloca-los em ordem ...

    "Rendo-me à noite, pois é ela quem me deixa mais solta e livre ..."
    Nunca consegui fazer alguém entender isso ...
    Não estou mais só no Universo ... rs
    Digo ... estou sim ... rsrs

    "Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém, provavelmente a minha própria vida ..."
    C. Lispector
    ;)

    ResponderExcluir
  3. Poxa ... rs
    Adorei essa parte que fala da noite ...
    Já até disse isso acima ...rs
    Mas poxa ... não dá pra deixar passar sem dizer de novo ... rsrsrs
    Finalmente alguém disse o que eu sentia ...
    Massa ...
    :)

    ResponderExcluir