quarta-feira, setembro 21, 2011

Voz







Uma noite cálida, ou deveria eu dizer fria ? Uma emoção transbordante vinda de meu coração, que não se contentava em apenas ouvir a voz que soava tão longe, tão próxima. Ah sim, ele queria mais do que apenas ouvir a voz, embora aquilo já o deixasse de tal maneira que o senso de realidade lhe escapava. Não se contendo de tanta alegria e tristeza, embargado de uma mistura de sentimentos intrínsecos, um nervosismo tomou conta da pele. Arrepiada, suando frio, tremendo. O sorriso era inevitável. Amplo, puro, vivo.
A voz despertou algo que meu coração há muito não experienciava. Tanto tempo, que tudo se refez, tudo é novo. E a mesma voz que conseguiu inquietar meu coração, fez com que meus olhos brilhassem, reluzindo uma sensação difícil de se explicar. Você está tão longe, mas posso te sentir cada vez mais perto, como se algo aqui dentro de mim conseguisse materializar os teus traços, e de alguma forma eu pudesse tocá-lo, senti-lo. Mas mesmo não podendo ter qualquer contato físico, já o amo. Não preciso ter você nas minhas mãos para saber disso. Amo-o, mesmo que em abstrato. E te torno real em meus sonhos e devaneios. Amo!




P.S.: Não sei como você conseguiu, mas reacendeu minhas emoções mais profundas e primárias. Não sei se isso é bom ou ruim, mas sim, eu já te amo! E muito ...





Wither - Dream Theater






Eu sei que essa música já está em uso no blog, mas eu não poderia deixar de oferecê-la à ti. Porque querendo ou não, ao escutar essa música é em você que eu penso, é o teu nome que me vem à mente.

2 comentários:

  1. "Não preciso ter você nas minhas mãos para saber disso. Amo-o, mesmo que em abstrato."
    Nossa! Lindo, lindo, lindo! Parabéns, Melissa.

    Abraços do @poemasavulsos.

    ResponderExcluir