quarta-feira, setembro 15, 2010

Fluxo Temporal

O tempo veio e já se foi, e ainda continuo presa em algum canto desse fluxo que não para. Tentei, por vezes de fato, amenizar a situação e tentar achar uma solução lógica e viável. As coisas escaparam, como o ar escapa às mãos. Encontro uma árvore no meio do caminho, recosto-me sob sua sombra e, num súbito intento de me achar, agarro-me às explicações mais tolas que consigo encontrar dentro de mim. Aquele tempo em que eu podia viver sem pensar, sem lembrar, sem sentir, se foi. E vejo que agora, mais do que nunca, que dependo. Pura e simplesmente de uma resposta. Qualquer que seja ela, eu dependo. Por mais que eu a tema ouvir é necessário. E não consigo ver um jeito de me livrar dessa aflição. Sim, estou aflita! Pois não sei por onde ir sem ter o que me aliviaria ou me mataria de uma vez. E pode doer o que vou ouvir, mas tentarei, como sendo um último apelo por essa insistência (ah como eu queria que o que eu penso se tornasse real...). E não adianta dar tempo para pensar, para ver que é passageiro. Como se vê o que não existe? Mentindo? Não se mente pra si mesmo, não há como quanto à isso. Quisera eu tivesse... e quem sabe assim eu poderia esconder de mim mesma tudo o que sinto. E poderia seguir o fluxo temporal numa boa, sem parar em nenhum lugar, em nenhuma lembrança. Mas eu sei que seguirei de qualquer modo, com ou sem dor.
Te amo.

2 comentários:

  1. Seguir sempre é a melhor escolha, ficar estagnada só mostra quão fraco somos pra não consseguir tocar o barco pra frente.

    Beijos. Tenho fé na sua força de guerreira!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Evy, saiba que vc é uma das minhas inspirações para seguir em frente!
    Beijos.

    ResponderExcluir