segunda-feira, março 28, 2011

Vário







E eis que há uma nuvem que paira sobre mim, sobre nós. Mas ela está indo, ela se foi. O Sol nasce lá fora, o céu clareia aos poucos e a noite passou num segundo tão curto. Não que o haja mais longo ou menos longo, é só que eu não o notei passando ... Foi uma sensação de estar exatamente onde se quer estar, com as pessoas que se quer estar. Não precisei de qualquer estímulo para permanecer de pé e ver as ruas clareando-se em tons incandescentes e as luzes apagando-se uma a uma.
Mas um olhar que há muito não via, chamou-me a atenção. O olhar da pessoa mais íntima à mim, mais chegada. Os olhos de alguém que me prende, que não me deixa em paz, que não me liberta. A pessoa que está sempre em meus pensamentos, sempre em meus planos, sempre em egoísmo. Deparei-me com o espelho e olhei dentro de meus olhos .... Há muito não os via tão intensos, cheios de dúvidas, medos e certezas. Era tanta coisa junta que não os pude fitá-los por muito tempo. E será que livre os poderia ver mais uma vez ? Livres da dúvida, das emoções, das próprias certezas ... Eu vi, daquele plano, olhos que mudam a direção com uma constância inconstante e sofreguidão. Tamanha era a vontade de não tê-los visto tão diverso, corri dali. Fugi para onde o olhar apenas fitasse os outros olhares que me acompanhavam madrugada à dentro.
A madrugada foi, como da outra vez, memoravelmente boa. Eu tive uma leve sensação de estar perto o suficiente do que eu quero há tanto tempo.








Anoiteceu em Porto Alegre - Engenheiros do Hawaii




Um comentário:

  1. ''Eu tive uma leve sensação de estar perto o suficiente do que eu quero há tanto tempo.''

    Quantas vezes as sensações nos tomam por inteira, ao ponto de recolher o fôlego, dentro dos pulmões ..?
    Não se mede quanta saudade o peito guarda, não se explica a nostagia que repentinamente se arrefece das almas no outono.
    Não há mais sequer palavras pra descrever o que tu em um único texto conseguiu me contar.

    Beijos e saudades.

    ResponderExcluir