quarta-feira, março 23, 2011

Acerca das Memórias




23/03/2011                          Brasília (UnB), DF                         13:10

Eu vejo a cidade, as ruas, os prédios e construções. Ora sinto um vazio, ora completo-me satisfatoriamente. Eu quis o afago de um beijo molhado, um corpo suado. Prazer igual à este, jamais tive, bem sei. Foi tão surreal que pensei não estar ali. A mente viajou em vícios externos. Eu não acreditava mesmo que aqueles corpos pudessem estar em união àquela hora. Era um mundo tão perfeito em minha mente, que meus defeitos ficaram em segundo plano. Me senti livre pela primeira vez. As marcas foram mais do que superficiais.
Acerca de tudo isso, pensei em analisar como seriam as situações diversas que pudessem (podem) surgir ao longo do tempo que consome à mim, mas é incapaz de apagar qualquer detalhe que não tenha passado despercebido. A vivacidade das sensações permanece intacta por aqui. E bem, seja como for, não tenho medo do que possa vir depois. Sei que a decisão será tomada e não posso culpar, seja por fracasso ou sucesso. É inconcebível, de minha parte, querer ter mais do que eu já tive e do que eu já pude ter.
O que escrevo são apenas pensamentos perdidos no frágil elo que divide a dúvida da certeza. A realidade é provada inútil para livrar-me de mim mesma. A válvula de escape não possui dispositivos de segurança. O que é seguro inexiste. E como consequência, fito o horizonte com um par de olhos castanhos solitários.






Tempo Perdido - Legião Urbana


Nenhum comentário:

Postar um comentário