quarta-feira, julho 27, 2011

Ela e o sonho




Ela sentiu o mundo desabando sob seus pés e seu sonho se desmanchando diante de seus olhos, sem que nada pudesse fazer. Ela tentou achar meios que explicassem aquele pesadelo. Ela buscou os detalhes. Ela quis chorar. Mas nem isso ela conseguiu em toda sua dor. Nenhuma lágrima lhe desceu pelo rosto pálido e tristonho. Ela mal podia acreditar que todo seu esforço, toda sua luta, toda sua esperança, foram em vão. Ela não quis gritar, não quis explodir, não quis fugir. Não tinha o que dizer, não tinha combustível, não tinha pra onde correr, de qualquer forma. Seu único desejo era deitar-se, em qualquer canto escuro e frio, fechar os olhos e esquecer que toda sua vida estava passando em câmera lenta. Seu único aliado era o silêncio. E em seu silêncio ela permanece até agora ...



Quando o seu sonho se vai e não lhe resta mundo para ficar seguro
Quando sua esperança é destruída, o escuro medo vem e se estabelece
Quando suas lutas e razões de as fazerem caem por terra
Tudo que lhe sobra é um amargo pensamento imaginando "onde eu errei ?"






Lonely Day - System of a Down



Such a lonely day, and it's mine
It's a day that I'm glad I survived

2 comentários:

  1. Onde eu errei ? ... Tá aí uma pergunta que persegue a gente ...
    É meio estranho ... um sonho causar um sofrimento real ... é quase poético, senão fosse trágico =/
    Mas, sonhos reais, sofrimento (ou alegria) real ...

    "Every night and every morn
    Some to misery are born ..."
    W.Blake

    ResponderExcluir
  2. As vezes um canto escuro é o melhor ligar onde podemos fikr
    o que é muito triste pois há tanta luz ai fora =/

    e ode erramos?nunk vamos saber

    http://algopoetico.blogspot.com/

    ResponderExcluir