quarta-feira, novembro 03, 2010

Confusion



Eu queria uma foto, um desenho, uma fotografia que descrevesse, definisse, orientasse o que estou sentindo. Eu pedi um papel, uma caneta, um pincel para tentar expressar os sentidos. Abstracionismo total. Eu via uma mistura de cores e sombreados, uma figura irreconhecível, sem traços definidos, um emaranhado de linhas, círculos, quadrados e triângulos. Uma geometria infundada e vaga. Uma reta curvada, um curva em linha reta, um quadrado arredondado, um quadrado circular. Como eu poderia tudo aquilo decifrar ? Um pequeno e confuso mundo ...

Um comentário:

  1. mas eis que mediante a tanta confusão, um vislumbre de uma face se enraiza no papel como Yggdrasil no Valhala ...
    as linhas vão se combinando para formar uma face a muito esperada que por rasões do destino são mostradas ali mediante a incredulidade de seus olhos ...
    e quando a a face quase esta completa e vc percebe suas singularidades tão notórias que ali estão..
    nota-se que o papel não mudou, os mesmo rabiscos indescritives ali jazem e que tudo o que percebera fora intenções cravadas em sua mente que lhe mostrão opções ou talvez algo mais....
    talvez um futuro proximo.... quem sabe

    ResponderExcluir