terça-feira, novembro 09, 2010

Em sua homenagem



Era manhã. Era manhã de um dia nublado. Era uma cama e um sono que não parecia ter fim. Era tudo tão escuro que nem mesmo tive vontade de levantar. Era tudo tão calmo que nem mesmo queria estar ali. Eu tentei voltar para o meu sono, mas ele já tinha me abandonado. Andei pela casa, fui à sala, aos outros quartos, ao quintal ... silêncio total. Mal pude acreditar que aquela paz pudesse existir em minha própria casa. Onde quer que eu olhasse, fosse, era sempre em absoluto silêncio. Sem vozes, sem barulho, sem ruído. Não posso dizer que foi ruim, mas me bateu uma solidão ruim. Eu queria sair da inércia e iniciar um som, um movimento brusco. Mas não tinha com quem compartilhar. A casa estava vazia, imersa em solidão. Estava oca e eu não sabia como a preencher. Decidi pegar as fotos, as canções, as memórias. Coloquei as fotos na parede, liguei o som e acionei as memórias que estavam guardadas. Algumas na mente, outras no coração. Juntei tudo e fiz uma festa em sua homenagem. Eu queria que você estivesse lá para ver. Mas a menos que você esteja conectado à mim, só o que habita em mim de você pôde contemplar tudo o que preparei com tanto amor.

4 comentários:

  1. This is perfect! the end part help us to feel the same feeling there you show. congratulations! this is very good.(hebert)

    ResponderExcluir
  2. thanks a lot dear friend! ^^ I achieved the point, so .... rsrs

    ResponderExcluir
  3. Oi, adoro ficar sozinho, com o meu Mozart e as viagens transcendentais rssss, adorei aqui, já sigo, namastê rs

    ResponderExcluir
  4. Olá Ives .... Que bom que você gostou! rs
    Viajar, mesmo sem sair do lugar, é sempre bom!
    See ya!

    ResponderExcluir