quarta-feira, novembro 24, 2010

Tolo, como ele é



19/10/2010

Um outro começo, uma outra estação
Eu fico me perguntando se outros dias como aqueles virão
Fui tão feliz naquelas tardes que quase me senti mal
Me senti completa e pronta ... odeio admitir que você me faz bem.
Agora as músicas que fazem com que eu sinta saudade batem em outro ritmo. O mesmo que outrora me fizeram-me sofrer, sem lágrimas, só dor no íntimo.
E essas nuvens só te aumentam aqui dentro. Parece que sinto mais do que simples alegria ao teu lado. Me notei e meu coração estava acelerado e minhas mãos transpiravam de emoção.
Ao sul encontro você ....
A tua casa está se tornando meu porto seguro. E eu tenho medo dos meus sentimentos. Medo da tua reação.
Lembro de quando estava em outros braços com o pensamento em você. Eu te via, te tocava e sinto, hoje, um arrepio.
Deitei em teus braços, senti tua respiração. Mal pude concentrar-me no que meus olhos deveriam estar realmente vendo. Concentração total em você, no teu jeito. Desde o início, no fundo, eu sempre soube que era você quem eu queria. Nunca quis confessar, mas você está me prendendo cada vez mais a ti. Não te culpo, não me culpo, não há culpados. Só há um coração perdido no mar, esperando que a tua bússola ou os teus mapas te levem até lá.
Ahh! .... Pra quê fui te encontrar? Continuo, como anteriormente, sem pista, sem resposta, sem o desejado afago. Oh coração! Estúpido como és. Impossível disfarçar o que estou querendo, sonhando .... O que não dá pra evitar e não se pode esconder. Não consigo evitar sentir o que sinto, que de tão grande não me cabe no peito e transborda, ficando evidente na forma como te observo, te sinto e falo.

 "Somos o que há de melhor, somos o que dá pra fazer ... O que não dá pra evitar e não se pode escolher...
Se eu tivesse a força que você pensa que eu tenho, eu gravaria no metal da minha pele o teu desenho...
O que não dá pra evitar e não se pode esconder"
(Humberto Gessinger)

Nenhum comentário:

Postar um comentário