domingo, agosto 29, 2010

Um passado com fim, embora sem começo


Aquela emoção que sentia ao ver-te, foi aos poucos se dissipando junto com essa densa neblina. A explosão de alegria e coisas boas que de mim fluíam em tua presença, foram tomadas por uma leve brisa dum olhar. O mesmo que outrora enfeitiçara-me, agora dá-me para degustar o amargo de se perder o que nunca tivera.
No início, que só a mim pertenceu, eram cores, brilho, alegria, amor. Neste final, são apenas escuridão, solidão, dor. E aquele velho amor que latejará sempre que eu ouvir o teu nome, a tua voz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário